Gianluca Ginoble – Eidos News interview / Intervista a Eidos News / Entrevista ao Eidos news

Gianluca - Eidos News December 2017
ph from Eidos News

On the December issue of Eidos News magazine, a beautiful interview with Gianluca Ginoble, conducted by William Di Marco, was published. You will learn a lot about Gianluca and also about Il Volo. Let’s read? – Read in English.

Nel numero di dicembre della rivista Eidos News é stata pubblicata una bellissima intervista a Gianluca Ginoble, realizzata da William Di Marco. Scoprire molte cose su Gianluca e anche su Il Volo. La leggiamo? – Leggi in Italiano.

No número de dezembro da revista Eidos News foi publicada uma belíssima entrevista com Gianluca Ginoble, realizada por William Di Marco. Você vai descobrir muitas coisas sobre Gianluca e, também, sobre o Il Volo. Vamos ler? – Leia em Português.

GIANLUCA GINOBLE

THE OVERWHELMING SUCCESS HAS NOT CHANGED HIM. HE KNOWS HOW TO BE CARRIED BY THE FLATTERY OF THE PUBLIC BUT ALSO KNOWS THE RIGHT VALUES: REMAINING TIED TO THE FAMILY, TO THE TRADITIONS OF MONTEPAGANO AND TODAY AT HIS PERSONAL RETREAT

Eidos News – Anno 11 N.286
Translation by Susan J. Ambrosini – photo by Suzana Gutierrez – AAIV

Only eight years have gone by since that first television show “Ti lascio una canzone”. The planetary dedication is confirmed on every tour. At home the Sanremo statue is on show, an unrealizable dream of many successful singers. It combines the lightheartedness of a boy with the calmness of an adult. He has a thousand ideas, he knows what he wants to do tomorrow and future projects are ready to continually renew themselves.

Il Volo in São Paulo - Septermber 24, 2017It’s a bit like going back to the first principles of human existence. Humanity and the world have a great fortune: they always go on and on and don’t reminisce about the time that was, even if from this it was born and everything takes shape. What is behind us is something that doesn’t return, but that which masterfully supports our journey forward. It’s not a back and forth in time, but a wheel of time that is powered by a sublime force of opposition. So the return to what we were takes us to the world of everyone’s childhood, predisposing ourselves to the search for the “nest” from which we have initially flown. This has a lot to do with the Pascoli (1) of the small entities, genuine and natural, but more present in this reflection of our personal line of time is a tradition that comes from afar: that of the Greek oikos, that is, the house as a refuge.

Our protagonist is very young, but he has an intimate belonging to a cultural and cultural background that is almost as ancient as the world. Montepagano is the tip of an iceberg that moves through history and with its majesty dominates a part of that environment known since ancient times.

Gianluca Ginoble has valued principles that are rooted in the most authentic tradition of our locations. The family in primis who have constantly helped him and continued to do so, directly or indirectly, evoking the gods protectors of the house (precisely the Greek oikoi) who know how to hold a parental nucleus together, an intimate shelter against a public life that could not be more extensive and global. At only twenty-two he has arrived where few, at the international level, can even dream of getting to. (“In a few years I have done what many people take a lifetime to achieve”, he tells us with the air of an adult who looks at the world with the right angle of observation) and has always kept its support in mind. He knows it’s there, at the precise point where, with his eyes closed, moors at the summit, even in the dark nights and on stormy days.

Here is the singer who travels the world and who is among the few trans-generational stars, before telling us a hidden part of himself, takes us to his wonderful home, which will be ready in a few months, both new and old mingling together at the same time. The Greeks of philosophical wisdom observe from the sea, which is viewed, spellbound, from the garden of his new residence, dominating, as few are able, the whole north coast of Teramo, as far as the eye can see. We look out from the terrace and the sky hails the presence of the gods through the streaked sky: the sunlight penetrating the thick network of clouds and pronounces the divine. And Gianluca is proud of his retreat, which has all the characteristics of a terraced villa, warm and welcoming, which the renderings show. His is as happy as a child and as aware as a mature person. The two qualities of this prodigal boy are all there, in the contrast between maturity and carefree, between tradition and modernity, between ancient villages and modern beaches.
We listen to him as he is never superficial in his public statements, not even in his intense story of himself.

Atri and Montepagano, almost the same height at sea level.
I opened my eyes for the first time in Atri on 11 February 1995. My parents had to decide on a name to give me. Gianluca came to my father’s mind, not only did he like it but it was a tribute to a football champion, that worldwide Vialli who knew how to score goals. It’s an curious episode and a while ago, with the journalist Marino Bartoletti, we remembered it and so he called Gianluca Vialli, who we talked to and who we will meet soon to seal an indirect friendship that has always been there. My father Ercole, paganese for generations, worked in the area of transportation of pharmaceutical products, while my mother, Eleonora Di Vittorio from Roseto, was an employee of Kara-La Perla. They had two children, which were me and Ernesto, born in Atri on 1 November 2000. I am lucky that I have a very good relationship with my parents. They follow me in what I do especially my dad, who is always with me travelling around the world. With my brother the feeling is exceptional. Not only does he know everything about me, but I confide in him about the most important professional choices. It was he who identified the songs, interpreted later with friends of “Il Volo”. He has flair and I can see him as a manager or talent scout in the future.

And your grandfather?
An extraordinary person who passed on to me, as a band player, a love for music. To be honest, I was so small that I don’t remember those first appearances. It was he who told me about them. He took me with him and in front of his friends, right in the center of the village; he made me perform “O sole mio”, a song that I learned as a child. I have always breathed that country atmosphere. I grew up with a strong sense of street life. We went to the square to play football or another meeting place was the pine trees area near the bell tower. We played hide and seek and I remember all the friends of back then: Nicolò, Massimo, Valerio, Simone, Samuele, Lorenzo.
Today it makes me a little sad to think that children don’t play in those places anymore, even if only a short time has gone by. That period for me was very important and also educational. I felt part of the group, but also a bit different from the others. Sometimes I would isolate myself and listen to music with headphones and the CD player: I liked it. They listened to Fabri Fibra, which I did too, but then I devoted myself to something else. The genres were very varied, but I remember singers like Bocelli, Alex Baroni, Giorgia as my favorites. It’s not usual for a boy to listen to such music, so much so that my friends told me to stop using the headphones, but I continued. I never had music lessons with an instrument and this is what I am missing today. I have a lot of melodies in my head and I would like to put them on a sheet of music. But there is still time to prepare myself; Above all I would like to learn to play the piano.

Kindergarten, Nursery and Elementary Schools.
I started my schooling in Roseto. I attended the kindergarten in via Puglia, the nursery school and Elementary School in Montepagano, and then the D’Annunzio Junior High School. My classmates were Chiara, Mario, Isabella, Stefania, Eleonora, Raffaella and others. I had different teachers like Katia, Rita, Antonella, Lia, Maria, Mara, Diana and many that I haven’t forgotten. But, above all, at that time, at the Elementary School, I was shy, a state of mind that I remember well. Once, when the village already knew that I had a beautiful voice, the teachers invited me to sing. I accepted, but I was so embarrassed that I stood behind the blackboard, looking at the wall so my classmates couldn’t look at me. This makes me smile today, but it was like that then and this fear made me go completely red in the face. There I had my first “standing ovation”, with the children all standing to applaud me. I only attended part of the last year of Junior High School, at least in the last few months. I went to class on Monday and Tuesday, then moved to Sanremo. I neglected my school studies a bit because of singing. I spent more time listening to music than reading books. The teachers, seeing me with a fixed gaze, asked me what I was thinking. I didn’t say anything, but my mind was already on the things I had to do in the afternoon, between Cd, music and song rehearsals.

The beginning of the choir
I joined the “Piccolo Coro delle Rose” directed by the teacher Susy Paola Rizzo. My mother pushed me to do it, because she knew her co-workers had already registered their children. I felt good with those guys and I started to surfaces, even if my spirit was very independent. In practice I didn’t want to be one of the voices, because I was thinking of singing on my own, the only way I could express myself to the maximum. But the choir was already giving me my own space, making me sing songs by Alex Baroni or Andrea Bocelli.
I began to be asked to participate in some of the shows held in the square. At that moment I had to defeat my shyness and face the public, even if with some failure. Once, in the summer, I was in front of Lido La Lucciola di Roseto with so many people. On stage I was with a girl. I began to sing and at one point I forgot the words. I couldn’t face all those people, so I got off the stage and ran into my mother’s arms, who was good at consoling me. I didn’t go back, because I knew I had made a mistake and I had to punish myself somehow. I’ve been, and still am, very strict with myself. The same thing happened to me when I played football. I was quite good and played with the rookies. I missed an easy goal in front of an empty goal and wouldn’t accept my error. So I left the field, even though the coach Irmo Marini asked me to stay. I was even angry because of a substitution in Gubbio. Mister Gino Di Nicolantonio and the manager Camillo Cerasi, who were on the bench, remember the incident. Those experiences, however, have made me grow and they have brought me to expect the maximum from the things I do.
The commitment is important for me.

And then came the television.
Dad did everything to give me the opportunity to perform in the local events and the rumour began to circulate that there was a child in Montepagano with an extraordinary voice. In 2008, a new Raiuno TV show began “Ti lascio una canzone”” conducted by Antonella Clerici. Youngsters aged 10 to 16 performed there, so in 2009 I went to the pre-selections and I was chosen straight away. At this stage I met the director Roberto Cenci who, listening to me for the first time, said to my father: “This boy was kissed by God at birth”. He saw us right away and so I went to Sanremo. I still get emotional when I remember the first time I entered the Ariston and if I think, that after six years I would have won the Italian Song Festival, I still get shivers. I repeatedly made an impression and then two Sicilian boys, Piero Barone and Ignazio Boschetto also joined me. The director Cenci decided, during one of those nights which had a stratospheric following of spectators reaching peaks of 10 million at times, to make us sing together, and so Ms. Clerici had the idea of calling us the “Tenorini”, a name we used for a long time. As it was, they thought they had budding Bocellini, Albannini and the Claudio Villini, who could be successful and that’s how it was. The time then came for us to go our own way with originality: “Il Volo” was born, which launched us on a planetary level.

What’s your relationship like with fellow singers Piero Barone and Ignazio Boschetto?
Excellent, because we know what our own spaces are. Sometimes we may have different ideas, but it is always the group that has the upper hand and we are very united in this respect. On the other hand, we are bound by world tours which have strengthened our mutual acquaintance.
We have been together for years, since we started back in 2009. I mentioned the Ariston earlier, but I will not forget even “Il Mare calmo della sera”, which I sang in front of my parents in the front row. I said to myself, with all those people and the live television, “Let’s live it” and since then I have been living this beautiful experience. Getting back to our group, it happened that Roberto Cenci called Tony Renis in America and Michele Torpedine: they took our talent to heart right away.. Record contracts were established with the important Geffen Records and then the promotions and world tours. The first album released in 2010 was among the “top ten” in over sixty countries.
From there sprang our Grammy nominations and concerts in all the world capitals. We are missing Tokyo, but a tour in Japan is scheduled for next year. Torpedine in all this was our Pygmalion, who believed in us and continues to do so successfully.

Have the world experiences changed you?
I don’t believe so, because I still have my feet firmly on the ground, bonded to my family, my grandfather, who is the love of my life, and to my home village. It’s true that I’ve seen many things during my travels; the amazement at the skyscrapers in Miami when we flew in by plane, the various important meetings, the need to adapt to the etiquette of big events, in which behaving in a certain way is fundamental. Despite all this, I don’t feel as though I’ve changed. In some ways, a solitary wolf, who needs his personal space, but I also like being with others and having fun. I consider myself sociable and therefore, I connect with many people, however I have very few real friends, because it’s not easy to be in tune with others, if not with someone you really know. I appreciate it when I am recognized in the supermarket: it means I am in people’s hearts. On the other hand, I like to say hello to everyone I know and chat with them.

Montepagano and your peers. What thoughts do they kindle?
The village where I was born should do more to promote itself. The place is magical, but I can actually see that it is dull. Even Roseto doesn’t take advantage of its great potential. I have toured many famous seaside towns, but none of them are as beautiful as ours. But we need to do more, improve accommodation facilities with luxury hotels and create events that include important people and a more qualified tourism. Regarding my peers, I would say that the present period is a very problematic one but we youngsters must be the first to react. We need to do everything possible to complete our projects, so at least we can say “I tried”.

Bright mind, clear ideas. To stop the flow of thoughts, our protagonist gets up and takes some cakes. I made them – he tells us – along with mum, he adds later. And again, here is the family peeping into his life. The last remarks he dedicates enthusiastically to outline, in general terms, the innovations that await Il Volo for the next season. They will be revolutionary things, he explains again with a satisfied smile stamped on his face. It’s the same expression he welcomed us with and showed us his future Pascolian nest clear in the “Night Jasmine (1) “.Who will he share this with? This is not yet known.

(1) ”Gelsomino Notturno”, poem from the Canti di Castelvecchio by Giovanni Pascoli

GIANLUCA GINOBLE

Il Volo in São Paulo - Septermber 24, 2017IL SUCCESSO TRAVOLGENTE NON LO HA CAMBIATO. SA FARSI TRASPORTARE DALLE LUSINGHE DEL PUBBLICO, MA SA ANCHE ANCORARSI AI GIUSTI VALORI: RIMANERE LEGATO ALLA FAMIGLIA, ALLE TRADIZIONI DI MONTEPAGANO E OGGI AL SUO RIFUGIO PERSONALE

Eidos News – Anno 11 N.286 – p. 35 – Gianluca Ginoble.
foto di Suzana Gutierrez (AAIV – Notte Magica Tour)

GIANLUCA GINOBLE

O SUCESSO ARRAZADOR NÃO O MUDOU. ELE SABE COMO É SER LEVADO PELAS LISONJAS DO PÚBLICO, MAS TAMBÉM SABE SE ANCORAR AOS VALORES CORRETOS: PERMANECER LIGADO À FAMÍLIA, ÀS TRADIÇÕES DE MONTEPAGANO E HOJE AO SEU REFÚGIO PESSOAL

Eidos News – Ano 11 N.286 – Tradução e foto de Suzana Gutierrez – AAIV

Apenas oito anso se passaram desde o primeiro show na TV, “Ti lascio una canzone”. O sucesso planetário tem se confirmado em todas as turnês. Em casa, a estatueta de Sanremo está em exibição, um sonho inatingível para muitos cantores de sucesso. É a combinação da alegria de um menino com a calma de um adulto. Ele tem milhares de ideias, ele sabe o que quer fazer amanhã e projetos futuros estão prontos para serem continuamente renovados.

Il Volo in São Paulo - 21 setÉ como voltar por um pouco aos princípios básicos da existência humana. A humanidade e o mundo tem muita sorte: vão sempre em frente e não se lembram do tempo que passou, mesmo que tudo tenha nascido e tomado forma a partir dali. O que está atrás de nós é algo que não volta, mas que apoia magistralmente a nossa jornada. Não é um vai e volta no tempo, e sim uma roda do tempo que se alimenta de uma sublime força contrária. Então, o retorno ao que éramos nos leva ao mundo da infância de qualquer um, nos predispondo a busca do primeiro “ninho” do qual nós voamos. Isso tem tudo a ver com as pequenas entidades de Pascoli (1), genuínas e naturais,mas muito presentes nesta reflexão de nossa linha de tempo pessoal, isso é uma tradição que vem de longe: aquela d òikos grego, que é a casa como um refúgio.

Nosso protagonista é muito jovem, mas pertence intimamente à um substrato cultural e territorial que é quase tão antigo quanto o mundo. Montepagano é a ponta de um iceberg que se move através da história e com sua majestade domina parte do ambiente conhecido desde a antiguidade.

Gianluca Ginoble tem valores e princípios com raízes na mais autêntica tradição de nossa região. A família in primis que o tem assistido constantemente e que continua a fazê-lo, direta ou indiretamente, evocando os deuses protetores da casa (precisamente o òikos grego), os quais sabem como manter um núcleo parental unido, um abrigo da intimidade frente a um vida pública que não poderia ser mais extensa e global.

Com somente 22 anos ele chegou onde poucos, em nível internacional, podem sequer sonhar em chegar. (“Em poucos anos eu fiz o que muita gente leva uma vida para fazer”, ele nos conta com o ar de um adulto que olha o mundo do ângulo correto de observação) e sempre teve presente o seu apoio. Ele sabe que é ali, no ponto preciso onde, com os olhos fechados, vai ancorar mesmo em noites escuras e em dias tormentosos.

Eis aqui o cantor que viaja o mundo e que está entre as poucas estrelas trans geracionais, antes de nos contar sobre um lado seu escondido, ele nos leva para o seu maravilhoso refúgio, que estará pronto em poucos meses, tudo novo e tudo antigo ao mesmo tempo. Os Gregos da sabedoria filosófica o observam do mar, que vê com encanto do jardim de sua nova residência, capaz de dominar como poucos toda a costa norte do Teramo, tão longe quanto os olhos alcançam. Olhamos do terraço e o céu comunica a presença dos deuses por meio de um céu estriado: a luz do sol penetra a fina rede de nuvens e anuncia o divino. E Gianluca está orgulhoso de seu refúgio, que já tem todas as características de uma vila com terraço, quente e acolhedora, que as representações mostram. Ele é feliz como um menino, mas consciente como uma pessoa madura. As duas qualidades deste garoto prodígio estão ali, no contraste entre a maturidade e a leveza, entre a tradição e a modernidade, entre o vilarejo antigo e a praia moderna.
Nós o ouvimos: assim como nunca ele nunca é banal em suas declarações públicas, também não o é neste seu relato intenso sobre si mesmo.

Atri and Montepagano, quase à mesma altura em relação ao nível do mar.
Abri meus olhos pela primeira vez em Atri, em 11 de fevereiro de 1995. Meus pais deviam decidir qual o nome que me dariam. Gianluca veio à mente de meu pai, não somente ele gostava, mas era também uma homenagem à um campeão de futebol, o mundialmente conhecido Vialli, que sabia fazer gols. É um episódio curioso e tempo atrás, com o jornalista Marino Bartoletti, o lembramos e então ele telefonou à Gianluca Vialli, com quem conversamos e com quem vamos nos encontrar em breve para selar uma amizade indireta que sempre existiu. Meu pai Ercole, de Montepagano por gerações, trabalhava na área de transporte de produtos farmacêuticos, enquanto a minha mãe, Eleonora Di Vittorio, de Roseto, trabalhava na Kara-La Perla. Eles tiveram dois filhos, eu e Ernesto, nascido em Atri em 1º de novembro de 2000. A minha sorte é que tenho uma ótima relação com meus pais. Eles me acompanham naquilo que faço, especialmente papai que está sempre comigo viajando ao redor do mundo. Com meu irmão o entrosamento é excepcional. Não somente ele sabe tudo sobre mim, como confio nele em relação à escolhas importantes em nível profissional. Foi ele que identificou muitas canções interpretadas depois pelo Il Volo. Ele tem faro e eu posso vê-lo como um empresário ou caçador de talentos no futuro.

E o seu avô?
Uma pessoa extraordinária que me transmitiu, como músico, o amor pela música. Para ser honesto, eu era muito pequeno e não me lembro das primeiras apresentações. Foi ele quem me contou. Me levava com ele, frente aos seus amigos, bem no centro do vilarejo, e me fazia cantar “O sole mio”, canção que aprendi desde muito pequeno. Sempre respirei este clima da região. Cresci com um grande senso da vida da rua. Vinhamos para a praça para jogar futebol ou um outro lugar de encontro era o pequeno bosque ao lado do campanário. Ali jogávamos escondidos e me lembro de todos os amigos daquele tempo: Nicolò, Massimo, Valerio, Simone, Samuele, Lorenzo. Hoje, fico um pouco triste em pensar que as crianças não jogam mais nestes lugares, mesmo que pouco tempo tenha se passado. Aquele período foi muito importante para mim e, também, educativo. Eu me sentia parte do grupo mas, também, um pouco diferente dos outros. Ãs vezes me isolava, escutando música com os fones de ouvido e o leitor de CD: gostava de fazer isso. Eles escutavam Fabri Fibra, coisa que eu mesmo gostava de fazer, mas depois me dedicava à outros. Os gêneros eram variados, mas lembro entre os preferidos cantores como Bocelli, Alex Baroni, Giorgia. Não é comum que um garotinho escute música do tipo, tanto que os meus amigos me diziam para largar os fones de ouvido, mas eu continuava. Nunca tive lições de música com instrumentos e, talvez, isso hoje me faça falta. Tenho muita melodia na cabeça e quero verte-las para a pauta. Mas ainda há tempo para preparar-me, quero acima de tudo aprender a tocar piano.

O jardim de infância e a escola elementar
Iniciei o meu percurso educativo em Roseto. Frequentei o jardim de infância de via Puglia, a Escola Elementar de Montepagano (nt:ensimo fundamental anos iniciais) e, depois, a Escola Média D’Annunzio (nt: ensino fundamental últimos anos). Os meus companheiros de escola eram: Chiara, Mario, Isabella, Stefania, Eleonora, Raffaella e outros mais. Tive diversos professores, como Katia, Rita, Antonella, Lia, Maria, Mara, Diana e tantos que não me esqueço. Mas neste tempo, especialmente no ensino fundamental, eu era tímido, um sentimento que me recordo muito bem. Uma vez, quando na cidade já sabiam que eu tinha uma bela voz, as professoras me convidaram para cantar. Aceitei, mas me envergonhava tanto que fiquei atrás do quadro negro, olhando para a parede, de modo que os meus colegas não pudessem me ver. Isso hoje me faz sorrir, mas naquele tempo era assim e o medo me fazia ficar com o rosto completamente vermelho. Ali recebi a minha primeira “standing ovation”, com a garotada toda me aplaudindo em pé. Frequentei apenas em parte o último ano do ensino fundamental, ao menos nos últimos meses. Ia às aulas às segundas e terças-feiras para, depois, ir para Sanremo. Eu sempre de descuidei um pouco da escola por causa do canto. Passava mais tempo escutando música que lendo os livros. Os professores, vendo o meu olhar fixo, me perguntavam o que eu estava pensando. Eu não dizia, mas a minha cabeça já estava nas coisas que eu devia fazer à tarde, entre CD, música e ensaios de canto.

Começa o período de coral
Eu entrei para o coral “Piccolo Coro delle Rose”, dirigido pela professora Susy Paola Rizzo. Minha mãe me “empurrou”, porque sabia que suas colegas tinham os filhos inscritos. Eu me sentia bem com aqueles garotos e comecei a me sobresair, mesmo que meu espírito fosse muito independente. Na prática, não queria ser uma das vozes, porque pensava em cantar sozinho, o único modo que eu tinha para me expressar ao máximo. Mas já no coro me davam um espaço todo meu, me fazendo cantar canções de Alex Baroni ou de Andrea Bocelli. Comecei a ser chamado para alguns eventos na praça. Naquele momento, tive de vencer a minha timidez e enfrentar o público, mesmo com algumas falhas. Uma vez, no verão, eu estava em frente ao Lido La Luciola em Roseto com tanta gente. Eu estava no palco com uma menina. Comecei a cantar e num certo ponto esqueci a letra da canção. Não consegui encara todo aquele público, assim desci do palco e corri para os braços de minha mãe, que foi ótima me consolando. Não voltei porque sabia que tinha errado e devia de algum modo me punir. Eu era, e ainda sou, muito severo comigo mesmo. A mesma coisa me acontece jogando futebol. Eu era bastante bom e jogava nos ‘pintinhos’. Perdi um gol fácil, daqueles de porta aberta, e não aceitei o meu erro. Assim, saí do campo, mesmo que o treinador Irmo Marini me dissesse para ficar. Em Gubbio, eu até fiz um gesto de raiva por causa de uma substituição em Gubbio. O técnico Gino Di Nicolantonio e o dirigente Camillo Cerasi, que estavam no banco, se recordam do que aconteceu. Todavia, estas experiências me fizeram crescer e me levaram a esperar o máximo das coisas que faço. O comprometimento é importante para mim.

E então veio a televisão
Papai fazia de tudo para me dar a possibilidade de participar nos eventos locais e comecóu a circular a notícia de que em Montepagano havia um menino com uma voz extraordinária. Em 2009 iniciou um novo show televisivo da Raiuno, “Ti lascio una canzone”, apresentado por Antonella Clerici. Se apresentavam crianças e adolescentes dos 10 aos 16 anos, assim, em 2009, participei da pré-seleção e fui logo escolhido. Nesta fase, encontrei o diretor Roberto Cencique, me escutando pela primeira vez, disse ao meu pai: “Este garoto foi beijado por Deus ao nascer”. Ele nos viu imediatamente e, assim, fui para Sanremo. Me emociono ainda ao lembrar da primeira vez que entrei no Ariston e se penso que depois de seis anos eu venceria o Festival da Canção Italiana ainda me arrepio. Me sobressaí repetidamente e, junto comigo, também apareceram dois garotos sicilianos, Piero Barone e Ignazio Boschetto. Em uma daquelas noites que tinham uma audiência estratosférica, com pico de 10 milhões de espectadores, o diretor Censi teve a ideia a ideia de nos por a cantar juntos, assim veio a ideia da Clerici de nos chamar de “Tenorini” (nt: pequenos tenores), denominação que carregamos por muito tempo. Na prática, pensavam em Bocellizinhos, Albaninhos e Claudio Villinhas em botão, que poderiam ter successo e assim foi. Depois veio o tempo de percorrer uma estrada nossa, autonoma e com originalidade: nasce “Il Volo”, que nos lançou em nível planetário.

Como é a sua relação com os companheiros Piero Barone e Ignazio Boschetto?
Ótima, porque sabemos quais são os nossos espaços. Às vezes podemos ter ideias diferentes, mas é sempre o grupo que decide e, nisso, somos muito unidos. Por outro lado, nos unem as turnês mundiais, que fortaleceram o nosso conhecimento recíproco. Há anos que estamos juntos, desde quando iniciamos em 2009. Primeiro falei do Ariston, mas também não esqueço o “Il mare calmo della sera”, cantado em frente aos meus pais que estavam sentados na primeira fila. Eu disse a mim mesmo, com toda aquela gente e com a transmissão ao vivo pela televisão, “viviamocela” (nt: viva isso!) e desde então estou vivendo esta bela experiência. Voltando ao nosso grupo, aconteceu que o Roberto Cenci telefonou para Tony Renis nos Estados Unidos e para Michele Torpedine: eles imediatamente tomaram o nosso talento aos seus cuidados. Nasceram os contratos discográficos com a importante Geffen Records e, depois, as promoções e as turnês mundiais. O primeiro álbum lançado em 2010 esteve nos “top ten” em mais de sessenta países. A partir daí, surgiu a nossa indicação para o Grammy Awards e os concertos em todas as capitais do mundo. Nos falta Tóquio, mas já está programada uma turnê no Japão para o próssimo ano. Em tudo isso, Torpedine tem sido o nosso Pigmalião, que acreditou em nós e continua acreditando com sucesso.

A experiência mundial te modificou?
Creio que não, porque mantive os pés no chão, muito ligado à família, ao meu avô, que é o amor da minha vida, e à minha cidade natal. É certo que vi muita coisa pelo mundo: o espanto ante os arranha céus em Miami quando chegamos de avião pela primeira vez, os vários encontros importantes, a necessidade de se adaptar à etiqueta dos grandes eventos, onde o comportar-se de um certo modo é fundamental. Apesar de tudo, não sinto que eu tenha mudado. Sou de certa forma um lobo solitário, que precisa de seu espaço íntimo, mesmo que também eu goste de estar com os outros e divertir-me. Eu me considero sociável e, então, me ligo à muitas pessoas, entretanto tenho pouquíssimos amigos de verdade, pois não é fácil estar em sintonia com os outros, se não com quem você conhece realmente. Eu gosto de ser reconhecido quando vou ao supermercado: isso significa que estou no coração das pessoas. Por outro lado, gosto de cumprimentar todos que conheço e trocar com eles algumas palavras.

Montepagano e os seus companheiros. Que reflexões lhe suscitam
A aldeia onde nasci deveria fazer mais para reviver. O lugar é encantador, mas atualmente o vejo morto. Mesmo Roseto não aproveita o seu grande potencial. Andei por muitas cidades do litoral, mas nenhuma é linda como a nossa. Mas temos de fazer mais, melhorar a estrutura turística com hotéis de luxo e criar eventos que tragam personalidades importantes e um turismo mais qualificado. Sobre os meus companheiros, posso dizer que o tempo atual é preocupante, mas nós jovens devemos ser os primeiros a reagir. É preciso fazer tudo para realizar os próprios projetos, assim ao menos poder dizer “eu tentei”.

Mente lúcida, ideais claras. Para interromper o fluxo de pensamentos, o nosso protagonista se levanta e pega alguns doces. Eu que os fiz – diz ele – junto com minha mãe, acrescenta. E eis de novo a família se mostrando na sua vida. Na última brincadeira, ele se dedica entusiasticamente a delinear, em caráter geral, as novidades que esperam o Il Volo na próxima temporada. Serão coisas revolucionárias, explica com um sorriso de satisfação estampado no rosto. É a mesma expressão de quando nos recebeu e mostrou o seu futuro ninho Pascoliano descrito no “Jasmim noturno” (1). Com quem o dividirá? Isto ainda não é possível saber.

(1) ”Gelsomino Notturno”, poem from the Canti di Castelvecchio by Giovanni Pascoli

Like this Article? Subscribe! / Ti piace questo articolo? Iscriviti!

9 thoughts on “Gianluca Ginoble – Eidos News interview / Intervista a Eidos News / Entrevista ao Eidos news

  1. Muito obrigada a vocês por compartilharem esta riqueza de entrevista conosco. Gianluca é um rapaz especial. Além se seu grande talento, mostra uma maturidade enorme para um rapaz de sua idade. Merece muito sucesso.

  2. Thank you so much for translating this great interview for us. I learned a lot about Gianluca that I didn’t know before. I never get tired of listening,watching or reading about Il Volo.

  3. Thank you so much I enjoyed reading the English translation of this amazing interview with Gianluca. Looking forward to the new Il Volo album it’s going to be fantastic.

  4. Bravo! That was a great interview of Gianluca. I think it was the first time I had read about him that felt as if we truly got a deeper look into this interesting , talented young man.

  5. Gianluca (beautiful name) is as sweet in his interview as one can see he is when he sings with such emotion. I just love him and I thank you for this interview. Enjoyed it so much!

  6. O Gianluca é um menino sábio, inteligente, sensível, doce, carinhoso, atencioso, terno, educado, madura para idade que tem e família. Jesus Cristo o presenteou com uma belíssima e maravilhosa voz, que nos encanta.
    Ele é o nosso GIANLUNA. Nossa lua, nosso sol. Você é lindoooooo. Te amamos!

  7. Like all the others, I thank you so much for this translation. I love learning about one of my favorite singers. He is as beautiful on the inside as the outside

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.